segunda-feira, 13 de abril de 2015

insensato dizer...

Eu sempre tive atração pelo lúdico. Aquilo que aos poucos se desperta sem se mostrar completo. Que enche os olhos com o mistério, com a fantasia dos gestos e cores. Há poemas inteiros feitos por pausas, por tempos necessários. Isso diz muito sobre o tempo. O tempo da gente e dos outros. Porém, digo! O que é velado sempre me interessou muito. Nada de abrir todas as portas. Eu sei. Assusta. E eu... eu gosto tanto disso que só poderia ser o inverso. Eu tenho uma pressa visceral, assusto tudo e todos e mal consigo me dizer. O não dito sempre me interessou e acabou comigo. Não há como ser diferente.  Amo tanto o incerto que o odeio profundamente. Odeio quem me traz a incerteza. Sei que deixei partes de mim por caminhos que fui e me deixei porque tive muita pressa.

Nenhum comentário: