quinta-feira, 27 de março de 2014

quarta-feira, 26 de março de 2014



Teu bom pensamento longínquo me emociona.
Tu, que apenas me leste, acredistate em mim
e me entendeste profundamente.
Isto me consola dos que me viram,
a quem mostrei toda minha alma,
e continuaram ignorantes de tudo que sou,
como se nunca tivessem me encontrado.

Cecília Meirelles

Um baile de sentimentos


Com as verdades dançando na minha frente, hoje veio mais outra. Todo dia é uma nova verdade. Vieram saudades, e, também, despedidas. Me despeço. Sinto saudades. Me renovo. Sou agitação. E resolução. Me descubro nos olhares das novas pessoas. Sou nova, sou amor. Sou antiga, sou sua mãe, sua irmã. Sou eu. Sou eu que sinto. Sinto, infinitamente...


...


Eu (não) quero te esquecer.



Precisei pedir ajuda. Uma outra opinião seria o suficiente para o que eu precisava e sabia que precisava: eu tinha que me desencorajar. Ainda que eu temesse o contato, existia um fio de motivação dentro de mim que dizia que eu precisava dizer... mas dizer pra quê?
Eu ouvi de uma amiga querida, "acho melhor você resolver isso dentro de você primeiro.... e não colocar tanta expectativa, sentimentos, em alguém que não está disposto a baixar a guarda e entender. Toca o barco pra frente e resolve isso internamente primeiro. Ai sim, se você ainda achar necessário, procure por essa pessoa.. você pode acabar se machucando mais, vai mais protegida, mas é só o que eu acho". 

Eu dizia, – é o meu conflito, eu temo: se eu resolver isso dentro de mim, eu sou obrigada a esquecê-la e eu não sei se é por isso que re(luto) há tanto tempo...


Saudade

O que eu estava sentindo eu queria ter escrito até o fim, mas eu apaguei. Não ficou nada... eu apaguei a saudade.

 "Estou sempre com saudades suas, e saiba que estou com vc sempre em meu pensamento."

quarta-feira, 19 de março de 2014

Só sei viver assim...



"deitei-me na grama ainda úmida de
depois da chuva.
ele se deitou ao meu
lado.
virou a barriguinha pra cima,
pedindo carinho.
ao por a mão em seu peito,
senti seu coraçãozinho batendo.
só então, finalmente, me senti em casa."

Gui Poulain