segunda-feira, 28 de março de 2011

cativar


A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar...

Le Petit Prince

in

Amo com urgência. Tenho urgências de tudo. Sou sensível, em demasia.
E isso, às vezes, me consome muito.

domingo, 27 de março de 2011

No meio das defesas todas...

No meio das defesas todas, havia algo que não se defendia, não sabia como se defender, não conseguiria, ainda que tentasse. Havia algo que escapava, ileso, dos artifícios todos, todos tolos, que a razão arranjava para não deixar o amor fluir com a beleza dele, o chamado dele, a natureza dele. Amor sempre arruma brecha para escoar entre os dedos temerosos do medo. Pode ser que a gente sinta tanto receio e se proteja tanto, as feridas antigas cicatrizadas coisíssima nenhuma, que nem consiga vivê-lo em sua plenitude. Mas que ele escoa, escoa. Esparrama no sorriso. Escapole no olhar. Canta no silêncio. Diz.



Ana Jácomo

quinta-feira, 24 de março de 2011

Onde é que tem gente nesse mundo?


eu me pontuo, me encho de respostas. Gosto da sincronicidade que certas pessoas têm. Eu me engano com as iniciativas. Nessa hora, os sentimentos não sentam mais no mesmo lugar. Eu gosto de sincronia. Quantas vezes não tenho nada disso. Não tenho tido conversas sinceras, não estou sendo sincera. Há tempos não vivo da minha verdade. Parei de sentir, daquela forma bonita, sabe? Agora me dói, muito. Mas não estou triste. Talvez eu procure por outro nome. Tenho tido medo de todo o poder que me envolve. Quero só falar das pequenas coisas, das pequenas felicidades. Agindo. Sonhando. Pisando. Depois de mim. De nós. Quantos sabores ainda não serão meus? Onde eu posso falar do indivizível? "Onde é que tem gente nesse mundo?"

sábado, 19 de março de 2011

Às vezes me dá enjoo de gente.
Depois passa e fico de novo toda curiosa e atenta.
E é só.

C.L